domingo, março 17, 2013

Eu não jogo, me jogo

Eu não jogo! Queria andar com um crachá escrito isso, todos os dias. Um dia eu tava no banheiro da faculdade e ouvi uma menina dizendo pra amiga "É minha filha, tem que saber jogar!" e elas riram. Essa menina tava começando a ficar com um menino lindíssimo, que tinha mil outras garotas atrás, na frente, dos lados. Eles tão namorando há anos, felizes, acho que vão noivar. Tá errada ela? Tô errada eu? Não sei, mas posso garantir que a vida pra ela é muito mais simples. Se eu quero ficar com alguém e houver uma oportunidade, eu não vou enrolar mais uma semana, um mês. Fazendo ele esperar, eu espero também e não nasci pra isso. Eu sei bem que quando você é indiferente, eles te dão muito mais atenção e toda essa coisa. Tenho preguiça de quase todos os caras que eu já fiquei e minha preguiça desperta paixão, "amor", flores e declarações. Minha atenção é sempre sincera e bem menos valorizada, já notei também. Se eu gosto, não consigo fingir indiferença, não curto máscaras nem quando são "saudáveis" ou “necessárias”. Se eu digo não, eu quero dizer não, sem "mas" ou entrelinhas! Não me faço de difícil, não minto, não tenho medo de ser julgada fácil, não me faço e ponto, acho que é bem por aí. Gosto de você? Te digo. Não gosto? Deixo claro. O que você quiser saber, te conto, verdades em pratos limpos, nosso almoço e nosso jantar. É um jeito bem mais complicado de se levar a vida, mas eu nunca fui fã de facilidades, confesso. E se o preço a se pagar por isso é gente indo embora, adeus, deixo a porta aberta. Nunca me ausentei de mim pra prender um cara ou uma amiga. Sempre fui completamente eu, sem me transformar em pecinha de jogo por uns dias, ser fantoche das próprias regras friamente elaboradas. Admiro a praticidade da menina do banheiro. Mas acho que tem que ser sincera, minha filha.

5 comentários:

  1. Sou desse tipo mesmo. Não faço joguinho e nem tipinho. Se é sim é sim, se é não é não.
    Seguindo seu blog, segue de volta :D

    ResponderExcluir
  2. Marcella, outro dia desse tava falando exatamente disso com minha chefe, "Não me faço de difícil, não minto, não tenho medo de ser julgada fácil, não me faço e ponto, acho que é bem por aí." eu sou assim também, quando quero demonstro, quando não também. E meu namorado, foi bem assim, e afinal estamos juntos, e não precisei "jogar" pra isso.

    Adorei o texto, de verdade, gosto da maneira que vc escreve, argumentos firmes, um atrás do outro, sem tempo de resposta. hahaha

    Bjs. :***
    Humble Opinion

    ResponderExcluir
  3. É, andei um tempo distante, sem ler os seus post's, mas não esqueço o quão você parece que me descreve em muitas de suas palavras e isso me faz vir aqui ler .
    Fico impressionada com isso, você só pode ler pensamentos, e sentir o que eu sinto, porque não é possível, sério !
    Te adoooooooooooooooro, não sou muito fã de leitura, tô começando agora, também não sei escrever muito bem, mas espero ler seus posts e aprender com eles também .
    MUITO BOM Marcela, você é linda e escreve muito bem .

    ResponderExcluir
  4. - Eu apoio para que o próximo tema você fale sobre traição, os possíveis motivos pelo qual as pessoas traem; no que isso reflete sobre o indivíduo que recebe essa traição, enfim, seus pontos de vista com relação a isso. Meijo s2

    ResponderExcluir

Publicidade (juro que eu escolho com carinho):